A prática de exercícios físicos é uma atividade importante para o bom funcionamento do corpo humano, ela traz benefícios para o bom funcionamento do coração, da circulação sanguínea, da respiração e até da produção de hormônios. Da mesma forma que, a prática contínua desses exercícios auxilia no tratamento e prevenção de doenças como a pressão alta, elevação do colesterol, da diabetes e da obesidade que aliados a uma boa alimentação também fornecem benefícios estéticos.

Estima-se que mais de 3,2 milhões de pessoas no mundo morrem em consequência da falta de exercícios físicos e, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), atualmente, mais de 700 milhões de pessoas estão num quadro de sobrepeso e obesidade. Só no Brasil, 32,7% da população brasileira está obesa e mais de 20,9% está acima do peso.

Este é um dado alarmante e que exige cuidado e atenção, se pensarmos que mais de um quarto da população brasileira apresenta excesso de peso.

Esse índice está ligado ao fato de que muitas pessoas se queixam de não terem incentivo nem disposição para a prática de atividades físicas, porém, elas mal sabem que os exercícios físicos tem o potencial de liberação da endorfina, uma substância natural, produzida pela glândula hipófise, localizada no cérebro. Essa substância apresenta ação analgésica e ao ser liberada estimula a sensação de bem estar, conforto, melhor estado de humor e alegria, as mesmas sensações liberadas quando comemos um pedaço de chocolate, por exemplo.

ENDORFINA

Sua denominação se origina das palavras endo (interno) e morfina (analgésico). Contudo, a liberação deste hormônio está diretamente ligada às características das atividades físicas praticadas, pois sua produção e consequente distribuição estão condicionadas a um mecanismo de adaptação do corpo à atividade, sendo liberada gradativamente desde o início do exercício.

Dessa forma, em determinado momento a produção atinge seu pico, promovendo a sensação de bem estar que pode ser sentida minutos após o fim da atividade, mas prolongada por até 72 horas, segundo a intensidade e concentração da substância, como apontam algumas pesquisas.

Em entrevista concedida ao portal IG, o ortopedista e coordenador do Centro de Medicina do Esporte do Hospital 9 de Julho, Ricardo Nahas esclarece de forma prática que a endorfina funciona como “analgésico”, ou seja, um ativador metabólico, agindo diretamente nos órgãos e estimulando outras glândulas na produção de hormônios.

“Sua ação é capaz de alterar o humor e o sono, dá mais disposição para as atividades de trabalho e de lazer e traz uma sensação de euforia que, para uns, se confunde até com a sensação da morfina. Também tem a capacidade de diminuir o estresse.” Vale ressaltar que as atividades físicas são uma das portas que se abrem para a produção da substância, porém, a sua liberação também acontece por meio de outros estímulos.

E AGORA, QUAL O MELHOR EXERCÍCIO?

 Manter o corpo e a mente ativos é o principio para uma vida saudável, porém, entre tantas modalidades listamos os 6 mais praticados e que mais trazem bem estar e equilíbrio:

  • Caminhada
  • Bicicleta
  • Ioga e Pilates
  • Esportes (coletivos ou individuais)
  • Musculação
  • Dança

Dentre estes, cabe a você escolher o que mais lhe agrada!