Por Paulo Milreu*

Segundo a Associação Brasileira de Startups 73% das startups no país estão localizadas nas maiores comunidades de startups aqui existentes, em diversos estados e regiões. Esse é um fato importante e que foi um importante motivador para pensarmos em nossa realidade em Bauru. Como andam as startups por aqui? Temos já uma comunidade organizada?

Não, não temos. E não foi por falta de tentativas. Eu mesmo já participei e apoiei duas iniciativas anteriores para formar uma comunidade de startups na cidade, que não deram certo. A última iniciativa criada também não tem vida longa. E por quê?

Mais do que ficar procurando os motivos de até hoje não termos conseguido formar essa comunidade de startups, o mais importante seria agora começar de uma forma que pudéssemos avançar, ganhar corpo, crescer e também sermos nascedouros de startups de sucesso para a cidade e porque não para o Brasil. Conversando com meu amigo e ex-sócio Anderson Arcenio, também empreendedor de startups, com uma história que começamos juntos quando vendemos nossa startup em 2011, decidimos construir uma iniciativa que pudesse ter continuidade, passo a passo, ajudando a construir o que chamamos de ecossistema de startups.

Olhamos para as comunidades existentes e percebemos que uma grande maioria carregava a palavra “Valley”, advinda da região nos Estados Unidos chamada Silicon Valley, ou Vale do Silício, conhecida mundialmente por ser uma região de empresas de tecnologia, de startups e de grande inovação. Encontramos Rapadura Valley no Ceará, Manguezal Valley no Pernambuco, San Pedro Valley em Belo Horizonte, Cariocas no Rio de Janeiro, entre outros nomes que caracterizavam a região ou mesmo a cidade. Começamos a pensar qual seria o melhor nome para nossa comunidade, o que caracteriza nossa cidade, como ela é conhecida no Brasil. Bingo!

E assim nasceu Sandwich Valley, a nossa comunidade de startups!

E, temos ainda que compreender que essa comunidade é algo amplo, aberto, um movimento distribuído, e para que todos possa participar. Falamos também sobre a construção de um ecossistema, um ambiente propício para o surgimento de startups, o desenvolvimento, e principalmente que muitas possam ganhar mercado e tenham sucesso além cidade, além região.

Um ecossistema precisa de agentes participando do mesmo, colaborando, apoiando, ajudando, participando, disseminando suas informações. Essa comunidade é formado por colaboradores, por pessoas que possuem uma startup ou que pretendem ter uma, por instituições de ensino que abordam esse tema, por grandes empresas interessadas em inovar através de startups, por entidades empresariais que apoiam, pelo poder público que participa e também apoia.

Quero reforçar que o Sandwich Valley acabou de nascer, completou apenas dois meses, e já conta com apoio de várias pessoas, empresas, entidades empresariais, poder público, e veículos de comunicação. Já estamos na internet com um site, um blog e uma página no Facebook, para que possamos disseminar eventos e informações sobre as três temáticas que definimos como nosso foco: empreendedorismo, startups e inovação.

Se você quer colaborar, se você tem uma empresa e quer entender como participar, se você quer ter sua empresa em nosso mapa, ou se tem alguma dúvida, entre em nosso site em www.sandwichvalley.org.

Acompanhe nossas atividades, em breve teremos muitas novidades para construirmos uma Bauru muito melhor e com muitas startups.

*Paulo Milreu é evangelista do Sandwich Valley. Fundador e CEO da FCJ Venture Builder Bauru, Fundador da Viking Network e Sócio Consultor da Inteligência Digital.