por Marta Gomis

Que atire a primeira pedra a mãe que não deu um suspiro de alegria com a retomada das aulas, e suspirei e muito.

Passei 40 dias intensos ao lado da minha filha Marcela de 6 anos, quando digo intensos pode ser levado ao pé da letra, tanto para horas boas como para as mais difíceis. São 24 horas juntas, pensando, mudando de ideia, bolando atividades, gastando dinheiro, sofrendo, rindo e também com um intervalo de direito a TPM, rs.

Era como fazer um planejamento intenso de trabalho, como se anual, porém apenas para 40 dias, sendo que nesse intervalo acontecem as festas de finais de anos, que requer estratégias a parte. Todos os dias tinha que ter uma programação diferente para ela, parquinho, pique nic, teatro, cinema, shopping, amigos em casa, ela nos amigos, sorveteria, andar de bicicleta, patins, pequenas viagens a capital ou qualquer coisa que fosse entreter por mais tempo e com menos esforço.

Sim é delicioso estar com minha filha, ela se torna minha companheira, mas é exaustivo, pq não é como nossas amigas, todos os momentos temos que marcar em cima, apontar os erros, ensinar as curiosidades, mostrar o certo e ficar de olho em nossas atitudes, afinal temos que ser expemplos.

Para mim e para muitas mulheres as férias agrega, agrega trabalho, já que a rotina da casa fica mais puxada, o trabalho continua o mesmo e acabamos tomando conta de tudo e por muitas vezes sozinhas.

Parece loucura né, mas quando começam as aula é uma enxurrada de postagens de mãe com piadas, fotos ou frases mostrando quanto estão felizes com essa data. Essa felicidade não é só por conta dos estudos do filho a alegria dele ter uma escola, mas principalmente porque nós mamães, desculpe a força da expressão, vamos nos ver “livres” deles por algumas horas e o melhor sem nos sentir culpadas.

Por que não conseguimos ficar os 40 dias (tempo médio das férias de verão) em casa e apenas aproveitando nossos filhos, por que precisa ser tão estressante fica com as pessoas que mais amamos?

Sinceramente a resposta exata eu não sei, afinal eu mesma estava a beira de um ataque de nervos, não vou mentir que tive alguns. Mas ficar com nossos pequenos, requer tempo, paciência, criatividade, concentração e desapego e nem sempre estamos preparadas para esse turbilhão de novas atividades, já que as “velhas” continuam e as vezes com muito mais pressão (como na época de festas de final de ano)

Precisamos parar, abrir mão de nossos horários, rotinas, desejos pessoais e tempo apenas para brincar e dar atenção que eles merecem, precisamos desapegar do que queremos para viver intensamente os desejos das crianças (sem mimos), mas ir a teatros, parques, fazer pic nic, brincar em casa entre outros e também aprender a conviver com mais bagunça e sujeira em casa, uma pessoinha a mais no pedindo algo a todo instante ou nos acompanhando até em momentos que tudo o que precisamos ficar só (como xixi e coco, rs), criança de férias é ter um chefe de cozinha que te pergunta tudo e mete a mão o tempo inteiro onde não é chamado e no final a cozinha precisa de uma super limpeza, coisa que você não estava disposta ou programada naquele dia, e ai, mais uma vez abrimos mão do que queríamos ou de uma programação que poderia ser só nossa, como um cabeleireiro.

Se organizar com o trabalho, rotina de casa e entender que eles não foram feitos como deveríamos ou gostaríamos somente pelo fato que estávamos brincando com as crianças é um trabalho mental de aceitação muito difícil, pelo menos para mim.

Férias em casa requer criatividade e boa vontade dos pais, principalmente da mãe em inventar, inventar brincadeiras para distrai-los em dia de chuva (que nesse verão foram muitos), criar passeios e buscar informações para fazer e divertir as crianças que parecem ser ligadas no 220V e logo se cansam de qualquer invenção, por melhor que seja, e já querem algo novo.

Ter filho em casa nesse época envolve custos, e altos, mesmo que vamos a parque e praças publicas, os sorvetes, pipocas e comprinhas fora de hora aumento nosso orçamento, assim como passeios em shoppings, teatro, cinema, parques de diversão e outras atividades.

Muitos pais de quererem que seus filhos façam tudo, aproveite tudo nem sempre tem o dinheiro em caixa disponível e isso gera uma frustração que a somatória vai nos deixando mais e mais estressados nessa época.

No final a gente sabe que foi importante, que foi deliciosa, mesmo sem saber exatamente o porque. Mas o mais importante que nesse período nos aproximamos de nossos pequenos de uma maneira única.

As vezes tenho a impressão que os filhos nos cansam porque nas férias não dividimos a responsabilidade com a escola, eles são somente nosso e a “culpa” de qualquer coisa será só nossa !

A ideia seria porque se sentir tão culpada, mas isso já é outro assunto, quem sabe para um próximo post.